Mudar!

Quando chegamos à brilhante conclusão de que a vida que temos, não é de todo a que nos dá a sensação de realização pessoal, nem chega por sombras ao ideal de vida que queremos ter, tomamos consciência de que é preciso fazer alguma coisa…

Quando chegamos a esta tomada de consciência, que é sem duvida a mais importante de todo o processo, a primeira coisa a fazer é mudar.

No inicio, visto que estamos numa situação de desespero e já não vislumbramos mais saídas, tudo nos parece muito bem, e acatamos todas as sugestões que nos são dadas, sem qualquer tipo de julgamentos…

Isto acontece só no inicio, porque depois, a determinada altura, quando a vida já não aparenta tanto desespero, achamos que já estamos bem, que afinal não há a necessidade de tanta mudança assim…

A isto se chama ilusão…

Para que haja saúde em todas as áreas da nossa vida, temos que estar em constante crescimento.

Mudança constante, melhoria constante. É para isso que nós estamos aqui.

Não pode haver riqueza, onde o objetivo é ter o suficiente…

Não pode haver saúde física, quando queremos controlar as situações, a vida dos outros, ou mesmo querer que as coisas sejam à nossa maneira.

Mas mesmo assim, continuamos a utilizar os mesmos padrões que nos são conhecidos, e a “empurrar com a barriga” tendo como ponto de partida o sofrimento que já vivemos, em vez de nos focarmos em querer melhorar a cada dia que passa.

Voltamos a criar uma “zona de conforto” e assim estamos de novo no ponto de partida…

Muitas vezes faço a mim mesma esta pergunta:

Será que quero mesmo mudar?

A maior parte das vezes a resposta é “não”.

Porque muitas vezes ainda quero que as coisas aconteçam à minha maneira…

É tudo um treino, e há que pôr em prática o conhecimento e utilizar as ferramentas que tenho à minha disposição. E sei, que muitas das vezes o que impede o fluxo natural da vida, é mesmo o facto de não querer mudar. Mas como em tudo, ter conhecimento e não o aplicar, de nada vale…

A síndrome de “Gabriela”

Recordo-me de um dia, há 4 anos atrás, quando me foi dito que eu teria que mudar a minha forma de pensar e de agir, se queria ganhar a minha vida de volta:

“e a minha essência, o que vai ser feito dela?”

Ignorância pura!

Mas a tentação ainda é tentar resgatar essa velha essência (a voz do ego), que me leva a pensar que já sei tudo, e que não é preciso mais nada.

O treino

Estar atenta a estes processos é a base para que depressa retorne ao caminho e me volte a focar nos meus objetivos. Não é fácil, mas é possível.

Deixo aqui um exercício me ajuda a mudar o rumo, e voltar de novo ao caminho:

Como mudar o rumo da nossa vida?

 

E tu, queres mudar?

Isabel Pato

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Share This